Valor residual no crédito à habitação: Veja 2 exemplos

Valor residual no crédito à habitação: Veja 2 exemplos

By | 2018-06-18T23:57:57+00:00 18/06/2018|Categories: Crédito à Habitação|
Valor residual

São muitos os consumidores que ao ponderarem contratar um crédito para a aquisição da sua casa se veem a par com diferentes realidades e propostas.

Contudo, uma das mais comuns e que ainda suscita imensas dúvidas é o valor residual no crédito habitação.

Como queremos que esteja munido de todas as informações relevantes para uma tomada de decisão consciente, hoje iremos explicar-lhe o que é o valor residual de um crédito e como é que se processa o mesmo.

1 – O que é o valor residual no crédito habitação?

De forma simples, o valor residual de um crédito habitação é uma percentagem do valor do financiamento que é paga na última prestação do contrato.

Relativamente ao crédito habitação, e dependendo da entidade financeira que lhe concede o crédito, o valor residual poderá ser entre 10% a 30% do valor total do financiamento.

É importante ter em conta que quanto maior a percentagem do valor residual menor será a prestação mensal que paga ao banco. Contudo, no final do contrato terá de pagar uma prestação bastante substancial.

Outra questão que deve ter em conta, é que o valor residual é considerado também o valor comercial que o imóvel terá no futuro, sendo o valor do mesmo definido na altura da assinatura do contrato de crédito habitação.

2 – Quais são as vantagens e desvantagens de optar por um valor residual?

A verdade é que podem existir imensas vantagens e desvantagens associadas a esta escolha, contudo, salientamos as principais.

2.1 – Vantagens do valor residual

Optar por esta forma de financiamento tem apenas uma grande vantagem associada, sendo a mesma:

  • Permite-lhe pagar um valor bastante mais baixo durante todo o contrato;

Isto é ótimo para quem não consegue pagar um valor muito alto de prestação mensal ou para quem comprou uma casa que precisa de obras e ainda vai demorar algum tempo até conseguir mudar-se.

2.2 – Desvantagens do valor residual no crédito habitação

É importante frisar que existem algumas desvantagens associadas ao valor residual sendo as mesmas:

  • O valor total do crédito vai ser muito mais elevado devido aos juros que vão ser cobrados;
  • Tem de pagar um valor bastante elevado no final do contrato;

Como vê existem vantagens e desvantagens em optar por este tipo de financiamento, sendo essencial que se optar por esta forma de contratação de crédito habitação, faça um pé de meia para não chegar ao final do contrato e ter um problema sério (ou seja, não ter dinheiro para pagar a prestação acordada).

3 – Exemplo prático do pagamento do valor residual

De forma a perceber as implicações de contratar um crédito habitação com valor residual é importante que perceba na prática como é que funciona.

Exemplo 1 – Pagamento com valor residual

A Filipa e o Miguel resolveram comprar a sua primeira casa e encontram um T2 em Massamá pelo valor de 110.000€.

O banco financiou 80% do valor do empréstimo (88.000€) e a escolha foi um crédito habitação com valor residual de 30%.

O empréstimo foi realizado a 30 anos, indexado à Euribor a 12 meses, com uma taxa de juro variável e uma TAE de 2,383%.

Assim sendo, os dados de pagamento são os seguintes:

  • Prestação mensal – 265,42€
  • Valor residual – 26.623,69€
  • Valor total do empréstimo – 131.208,70€

Exemplo 2 – Pagamento de prestações constantes

Tomemos com exemplo o caso anterior, tendo exatamente os mesmos dados (financiamento de 88.000€ a 30 anos, com taxa variável e taxa de juro de 2,383%).

Neste caso, o casal opta por um financiamento com um valor constante mensal. Os dados de pagamento são os seguintes:

  • Prestação mensal – 320,05€
  • Valor total do empréstimo – 122.247,16€

Como pode ver pelos exemplos apresentados, a diferença do valor mensal do financiamento é de aproximadamente 55€, contudo, o pagamento de juros ultrapassa os 8.900€.

4 – Devo ou não optar pelo valor residual no crédito habitação?

A verdade é que não existe uma resposta que seja unanime a todos os consumidores, já que cada metodologia de financiamento tem as suas vantagens e desvantagens.

Quando optar por um crédito de prestações constantes vai pagar inicialmente mais juros do que capital (sendo que há depois uma inversão desta tendência).

Ao optar pelo valor residual no crédito habitação a tendência é contrária, ou seja, os juros são mais altos no início do contrato.

Ao fazer as contas, o valor residual implica que pague um valor total do financiamento bastante superior, mas obviamente vai depender das suas necessidades.

Assim sendo, antes de escolher qualquer financiamento ou entidade bancária, faça diversas simulações de crédito habitação, pois apenas dessa forma consegue ter uma ideia de quais as taxas que estão a ser aplicadas e quanto fica a pagar por mês com as várias modalidades.

Se tiver alguma dúvida ou precisar de algum apoio na escolha do melhor crédito habitação tendo em conta as suas necessidades, não hesite em contactar-nos pois estamos à sua inteira disposição para qualquer esclarecimento adicional.

Gosta do nosso trabalho?

Siga a nossa página no Facebook

By | 2018-06-18T23:57:57+00:00 18/06/2018|Categories: Crédito à Habitação|

About the Author:

Ricardo Rodrigues é consultor financeiro independente e presta serviços de consultoria financeira em crédito pessoal, crédito consolidado e crédito habitação. Email: geral@nvalores.pt