Ultrapassei o plafond do cartão de crédito no Natal. E agora?

O natal já passou, e em conjunto com esta época vem muitas vezes o excesso de créditos e os gastos abusivos com o cartão de crédito.

É muito comum que após esta época festiva as pessoas olhem para o extrato do cartão de crédito e se apercebam do dinheiro que realmente gastaram no natal. De acordo com um estudo realizado pela Cetelem, revela que mais de 25% dos consumidores admitiram ter recorrido ao cartão de crédito para pagar as prendas de natal este ano.

Este valor representa uma subida de 6% face à percentagem registada em 2015 (18%) e um aumento de 13% face a 2014 (11%).

Desta forma, o NValores resolveu esclarecer o que pode fazer no caso de ter ultrapassado o plafond do cartão de crédito no natal.

O que fazer se tiver ultrapassado o plafond do cartão de crédito no Natal

Diversos estudos demonstram que os portugueses gastam em média entre 350 e 400€ por lar nesta época festiva (desde presentes, jantares, ceia e almoço de natal…).

No entanto, é também nesta época que surgem as típicas frases “é uma prenda de mim para mim”, “vou comprar porque mereço” ou “não compro nada há muito tempo…”. Como é óbvio, o valor gasto acaba por ser muito maior do que o esperado, e o plafond do cartão de crédito é que irá sofrer.

Assim sendo, no caso de ter ultrapassado o plafond do cartão de crédito no natal, saiba que é possível corrigir a situação, no entanto, vai ter de tomar decisões bastante ponderadas nas próximas utilizações.

1 – Formas de pagamento

Uma das primeiras coisas que deve ter em conta é saber quais os prazos de pagamento sem juros. A maior parte dos cartões dispõe entre 20 a 50 dias para ser realizado esse pagamento, antes de começarem a ser cobrados os juros (assim sendo, se o valor utilizado for passível de devolver de uma vez logo no inicio do ano, pondere seriamente essa opção).

É também comum que após os 50 dias, possa fracionar o pagamento das mensalidades (o máximo de mensalidades vai depender do cartão que tiver). No entanto, é importante que tenha em conta, que no caso de recorrer ao fracionamento do valor, vai ter de pagar os juros.

Se souber ao certo como é que funciona o mesmo, pode começar a resolver a situação de ter ultrapassado o plafond do cartão de crédito no natal.

2 – Comece uma poupança

A melhor forma de não ter de recorrer ao cartão de crédito (ou pelo menos de não ultrapassar o plafond definido) é iniciar uma poupança que vai servir para esta época do ano.

Se todos os meses tirar entre 10€ a 20€ do seu ordenado, quando chegar a dezembro vai ter entre 110€ e 220€ que pode gastar em algo que queira para si, ou para comprar as prendas de natal.

Desta forma, não vai ter de começar o ano seguinte a pagar os valores exorbitantes que gastou nesta época festiva.

3 – Avalie o impacto desta nova prestação

Se ultrapassou o plafond do cartão de crédito neste natal, mas não tem mais nenhum crédito em vigor, a situação pode não ser tão má como parece.

No entanto, se tem mais créditos em vigor, e se a sua taxa de esforço for superior a 40%, deve ponderar algumas alternativas, nomeadamente o pagamento na totalidade dos valores em aberto (se tiver uma conta poupança com algum dinheiro em que possa mexer) ou solicitar uma consolidação de crédito.

Desta forma, o valor mensal da prestação vai ser reduzido, sendo possível colocar as suas finanças em ordem.

4 – Reduza os gastos

Se esta nova prestação do cartão de crédito associada aos gastos do natal vai ter um impacto negativo na sua vida, é importante que comece a reduzir os custos que tem mensalmente.

Assim sendo, a primeira coisa que tem de fazer é uma lista com todos (mesmo todos) os gastos que teve nos últimos meses, e ver qual o seu padrão de consumo.

Analisar tudo e perceber quais são as pequenas coisas onde pode cortar (não estamos a dizer para não comer fora de vez em quanto, mas pode por exemplo começar a levar a marmita para o trabalho em vez de almoçar fora todos os dias – as poupanças podem facilmente ultrapassar os 150€).

É importante que se comprometa com os cortes e não compre nada que não precise.

Veja também: Calculadora das minhas despesas mensais

5 – Tente arranjar um trabalho complementar

São cada vez mais as pessoas que têm mais do que um trabalho de forma a poderem pagar as contas e ter mais algum dinheiro disponível no final do mês. Assim sendo, tente arranjar um part time ou trabalhe como freelancer a partir de casa.

Desta forma, irá conseguir juntar algum dinheiro e pagar com maior facilidade o valor que estourou o plafond do cartão de crédito no natal.

São vários os sites onde se pode inscrever para trabalhar remotamente a partir de casa (como é o caso do freelancer, 99frelas, Zaask…), e que o vão ajudar a ganhar algum dinheiro extra ao final do mês. Apenas precisa de um computador e acesso à internet e poderá fazer praticamente todo o tipo de trabalhos.

No entanto, é importante que tenha em conta que poderá ter de abdicar de alguns convívios para que todo o trabalho seja entregue atempadamente (deve por isso organizar-se de forma a não falhar os prazos que estipula com os clientes). Acredite que se tudo correr bem, vai conseguir mensalmente um segundo ordenado, e pagar todos os valores em aberto mais facilmente.

Apenas precisa de procurar algo que saiba fazer. No caso de ter jeito para trabalhos manuais, pode também dedicar-se ao artesanato (criação de jóias, quadros, colares…).

Agora que já sabe como pode colocar as suas finanças em dia depois de ter ultrapassado o plafond do cartão de crédito no natal, não existe nenhum motivo para não começar o novo ano com as finanças organizadas.

Se verificar que a sua taxa de esforço é superior a 40%, quer saber como funciona a consolidação de créditos, ou se está a ponderar adquirir um cartão de crédito ainda este ano, não hesite em contactar-nos pois estamos à sua inteira disposição para qualquer esclarecimento adicional.

Veja também:

 

Sobre o autor: Ricardo Rodrigues

CEO e Fundador da RRNValores Unipessoal, Lda, Ricardo Rodrigues gere uma equipa formada por consultores, criadores de conteúdos e programadores que desenvolvem e mantêm uma plataforma gratuita com informação e comparação de produtos bancários.Formado em Engenharia Civil pelo Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL) e apaixonado pela área Financeira, criou o nvalores.pt em Agosto de 2013 com a missão de garantir uma comparação independente de produtos bancários em Portugal.Exerceu funções de consultor financeiro independente na Empresa Maxfinance, nomeadamente assessoria na obtenção de crédito pessoal, crédito consolidado, crédito automóvel, cartões de crédito, crédito hipotecário, leasing, seguros e aplicações financeiras. Email: geral@nvalores.pt