Este mês a prestação da casa sobe ou desce? - NValores

Este mês a prestação da casa sobe ou desce?

By | 2019-11-19T19:20:21+00:00 19/11/2019|Categories: Crédito à Habitação|

São poucas as pessoas que conseguem adquirir a sua própria casa sem necessitarem de recorrer a um crédito habitação.

E, ter um crédito habitação, principalmente para quem tem uma taxa de juro variável, pode ser uma “roda viva”. A taxa de juro ora desce… a taxa de juro ora sobe… e assim vamos andando de acordo com a flutuação da EURIBOR.

A par com as taxas de juro (que se prevêem negativas até junho de 2024) os bancos tem baixado o valor dos spreads (sendo que o mínimo atual ronda 1,15%).

Mas, para quem tem um crédito habitação em vigor, novembro traz notícias (que podem ser boas ou más dependendo do tipo de financiamento que tem).

Prestação da casa desce para mínimos históricos

De acordo com o ECO as prestações da casa baixam para mínimos históricos em novembro de 2019. Os cortes nas taxas de juro vão variar entre 0,71% e 2,2% e vão beneficiar essencialmente quem tem os indexantes mais alargados.

Mas, para que isso aconteça é necessário que haja uma revisão da taxa de juro do seu empréstimo este mês. E, essa descida irá ocorrer independentemente de ter indexada à EURIBOR a 3, 6 ou 12 meses.

Euribor a 3 meses

Quem tem um empréstimo indexado à EURIBOR a 3 meses vai sentir a menor descida (0,71%). Isso porque estas taxas são revistas periodicamente (de 3 em 3 meses).

Veja a simulação para perceber na prática como tudo funciona.

Simulação – 100.000€ em 30 anos com spread 1%

Imagine o cenário em que a família Afonso tem um empréstimo de 100.000€, contratado com um prazo de 30 anos, Euribor a 3 meses e um spread de 1%.

Atualmente esta família paga uma prestação mensal de 305,15€.

Contudo, com a descida de 0,71% nas taxas de juro (o que equivale a 2,17€) o valor mensal do crédito habitação irá fixar-se nos 302,98€. Ou seja, o valor mais baixo de sempre.

Veja também: Crédito com taxa fixa ou variável – Qual a melhor?

Euribor a 6 meses

Quando falamos de um empréstimo indexado à EURIBOR a 6 meses, o valor do encargo irá baixar 1,9%. Este será o corte mais acentuado nas taxas de juro para este indexante dos últimos 3 anos.

Veja a simulação seguinte para perceber na prática como tudo funciona.

Simulação – 100.000€ em 30 anos com spread 1%

Imagine o cenário em que a família Cardoso tem um empréstimo de 100.000€, contratado com um prazo de 30 anos e um spread de 1%.

Atualmente esta família paga 311,14€.

Contudo, com a descida de 1,9% nas taxas de juro (o que equivale a 5,9€) o valor mensal do crédito habitação irá fixar-se nos 305,24€. Ou seja, o valor mais baixo de sempre.

Euribor a 12 meses

Já as famílias que têm o crédito habitação indexado à EURIBOR a 12 meses sentem o maior corte de sempre nas suas prestações mensais.

Vai haver uma descida de 2,2% no valor mensal da prestação, sendo este também um mínimo histórico.

Assumindo este cenário, veja a simulação seguinte para perceber como tudo se processa.

Simulação – 100.000€ em 30 anos com spread 1%

Imagine o cenário em que a família Miranda tem um empréstimo de 100000€, contratado com um prazo de 30 anos e um spread de 1%.

Atualmente esta família paga 311,14€.

Contudo, com a descida de 1,9% nas taxas de juro (o que equivale a 6,83€) o valor mensal do crédito habitação irá fixar-se nos 307,78€.

Ou seja, o valor mais baixo de sempre para o indexante a 12 meses.

Precisa de um financiamento pessoal? Simule aqui a sua prestação mensal e fale com um consultor.

Afinal a prestação sobe em novembro de 2019

Parece que afinal nem os próprios simuladores têm o mesmo tipo de análise no que concerne a subida ou descida do crédito habitação.

De acordo com uma simulação da Deco/Dinheiro&Direitos a prestação da casa irá subir para quem tem um crédito habitação com uma prestação indexada à EURIBOR a 3 ou 6 meses.

Neste caso, apresentamos também 2 simulações.

Simulação 1- 150.000€ a 30 anos com spread 1%

Imagine o cenário em que a família Bernardino tem um empréstimo de 150.000€, contratado com um prazo de 30 anos e um spread de 1%.

Atualmente esta família paga 454,2€.

Contudo, com a subida das taxas de juro (o que equivale a 0,33€) o valor mensal do crédito habitação irá fixar-se nos 454,53€.

Simulação 2 – 150.000€ a 30 anos com spread 1%

Imagine o cenário em que a família Ferreira tem um empréstimo de 150.000€, contratado com um prazo de 30 anos e um spread de 1%.

Atualmente esta família paga 454,2€.

Contudo, com a subida das taxas de juro (o que equivale a 2,13€) o valor mensal do crédito habitação irá fixar-se nos 457,92€.

É importante frisar que a média das taxas EURIBOR usadas nesta simulação da Deco/Dinheiro&Direitos foi de 0,362% para a taxa a 6 meses e de -0,413% para a taxa a 3 meses.

Juros do crédito habitação negativos até 2024

Em 2017 previa-se que os juros associados ao crédito habitação estivessem negativos até 2020. No entanto, a previsão atual é que os mesmo se mantenham negativos até 2024.

De grosso modo, há então a previsão de que os empréstimos para a aquisição de habitação própria se mantenham negativos, sendo que os mínimos históricos foram alcançados entre o final de agosto e o início de setembro.

O futuro da EURIBOR a 6 meses aponta para um valor negativo pelo menos até setembro de 2024.

O responsável pelo BCE (Banco Central Europeu) disse que:

“As taxas de juro diretoras do BCE mantêm-se nos níveis atuais ou em níveis inferiores até observar que as perspetivas de inflação estão a convergir de forma robusta no sentido de um nível suficientemente próximo, mas abaixo, de 2%”

Contudo, ainda há um longo caminho a percorrer, dado que os números da inflação na zona euro se encontram bastante longe desta fasquia. Em setembro de 2019 a inflação homóloga fixou-se no espaço do euro em 0,8%.

Quem viu a taxa do seu crédito habitação ser revista este mês, houve um aumento ou descida da taxa de juro?

Partilhem connosco o vosso feedback.

Gosta do nosso trabalho?

Siga a nossa página no Facebook

By | 2019-11-19T19:20:21+00:00 19/11/2019|Categories: Crédito à Habitação|

About the Author:

Formado em Engenharia e apaixonado pela área Financeira, Ricardo Rodrigues criou a NValores em Agosto de 2013 com a missão de melhorar a literacia financeira dos Portugueses. Exerceu funções profissionais inerentes à categoria de Consultor Financeiro na Empresa Maxfinance, nomeadamente assessoria na obtenção de crédito pessoal, crédito consolidado, crédito automóvel, cartões de crédito, crédito hipotecário, leasing, seguros e aplicações financeiras. Desde de 2013 com funções profissionais inerentes à categoria de CEO na RRNValores Unipessoal, Lda, especificamente, gere uma equipa formada por consultores, marketing de conteúdos e programadores que criam, desenvolvem e mantêm uma plataforma com informação e comparação de produtos financeiros gratuita para todos os utilizadores. Email: geral@nvalores.pt

Leave A Comment