Como Preencher o IRS em 2016 na 2ª fase passo a passo

Como Preencher o IRS em 2016 na 2ª fase passo a passo

By | 2018-07-05T21:34:04+01:00 10/05/2016|Categories: Impostos|Tags: |

A 2ª fase de entrega do IRS já se encontra a decorrer desde dia 01 de maio, e têm-nos chegado centenas de questões relativamente ao preenchimento do IRS em 2016 nos seus diversos anexos.

Assim sendo, de forma a facilitarmos a vida aos nossos leitores, resolvemos criar este guia que lhe explica passo-a-passo como deve preencher o IRS em 2016 na 2ª fase.

Salientamos desde já, que apenas iremos explicar como proceder ao preenchimento dos anexos B, C, D, E, F, G, G1, I, J e SS, por isso caso tenha alguma questão relativamente ao preenchimento dos anexos A e H e a folha de rosto deve consultar este guia do IRS em 2016 – 1ª Fase e obterá as respostas às suas dúvidas.

Neste artigo vai encontrar:

  • 1 – Como Preencher o IRS em 2016 sem Erros com o NValores
  • 2 – Principais aspetos a ter em conta quando entrega a declaração de IRS na 2ª fase
  • 3 – Como Preencher o IRS em 2016 na 2ª Fase: Guia Passo a Passo
  • 4 – O que fazer caso surjam dúvidas a realizar a entrega do IRS 2016?

Esta 2ª fase de entrega do IRS apenas pode ser realizada através da internet e pode ser feita até dia 31 de maio no entanto alertamos desde já que se utiliza por defeito o browser Chrome ou o Microsoft Edge que não irá conseguir realizar a entrega (tal como aconteceu na 1ª fase).

A Autoridade Tributaria informou que a alternativa passa por instalar um browser compatível, tal como, o Firefox ou  Internet Explorer (se tiver um computador com o sistema operativo Microsoft) ou Safari (se tem um Mac), a outra hipótese passa por instalar aplicação das Finanças, sendo que necessitará sempre de ter instalado também o Java.

Para ajudá-lo a saber como preencher o IRS em 2016 vamos fazer um guia passo a passo que irá esclarecer tudo (ou, pelo menos garantimos que vamos tentar) o que precisa de fazer para preencher a sua declaração de forma correta.

1 – Principais aspetos a ter em conta quando entrega a declaração de IRS na 2ª fase

1.1 – Prazos de entrega

A 2ª fase de entrega das declarações de IRS, que arrancou a dia 01 de maio, vai-se prolongar durante o mês de maio, tendo a sua data de término agendada para dia 31 do mesmo mês. É importante salientar que quem proceder à sua entrega fora do prazo, está sujeito ao pagamento de uma coima.

1.2 – Alterações nos formulários

Este ano os formulários de preenchimento são em maior número, e em alguns casos mais complexos. Por exemplo a antiga folha de rosto tinha apenas 8 quadros para validar, atualmente tem 13.

A possibilidade de optar pela tributação conjunta ou separada, os residentes fiscais parciais e o anexo j relativo a residentes no estrangeiro são 3 das alterações mais visíveis.

No entanto no final deste artigo encontra um guia de preenchimento passo a passo da declaração de IRS, pode consulta-lo quando estiver a realizar o preenchimento da mesma.

1.3 – Browsers incompatíveis

A Autoridade Tributária informou logo de início que os browsers padrão (como o Chrome ou o Edge – que vem pré instalado no Windwos 10) são incompatíveis com a plataforma. Caso esteja a utilizar um destes, vai ter de instalar o Internet Explorer ou Firefox (para sistemas operativos Microsoft) ou o Safari (para Mac).

1.4 – Pessoas casadas podem entregar a declaração de IRS em separado

Até agora, todos os casais que eram formalmente casados eram obrigados por lei a realizar a entrega do IRS em conjunto. No entanto com a reforma do IRS, este ano já não existe essa obrigatoriedade podem optar pela modalidade que for mais favorável.

É importante neste caso, realizar com antecedência as devidas simulações, uma vez que podem haver discrepâncias consideráveis quando as duas possibilidades são comparadas. Por norma, os casais que tenham rendimentos muito diferentes obtêm mais vantagens em entregar o IRS em conjunto pois o elemento com maiores rendimentos usufrui uma taxa mais reduzida.

2 – Como Preencher o IRS em 2016 na 2ª Fase: Guia Passo a Passo

1º Passo – Ter a senha de acesso ao Portal das Finanças

Se quer preencher o IRS 2016 através da internet, tem de ter acesso ao Portal das Finanças. Caso ainda não tenha o mesmo, aceda ao site:  http://www.portaldasfinancas.gov.pt/pt/home.action e na barra lateral direita seleciona a opção “Novo Utilizador”, depois basta introduzir os seus dados pessoais e em alguns dias deverá receber uma carta em casa com a sua senha de acesso. Apesar do processo demorar apenas os alguns dias aconselhamos que faça este pedido com antecedência, evitando assim possíveis dores de cabeça.

Caso tenha deixado tudo para a última, pode deslocar-se a uma repartição das finanças da sua área de residência e solicitar uma senha de última hora, que a mesma será entregue mas terá apenas a validade de 5 dias.

Nota importante: Sempre que o IRS for apresentado em conjunto com duas pessoas com rendimentos (como o conjugue), todos os elementos devem ter a sua senha de acesso ao portal das finanças.

2º Passo – Entrar no Portal das Finanças com a sua senha e selecionar na lateral esquerda “Entregar Declaração”

E escolher a opção “Entregar a 1ª declaração e declarações de substituição” e escolher o ano 2015 (depois será pedido que deixe a aplicação Java correr, por isso basta carregar em “Run”).

3º Passo – Depois selecione a opção “Obter declaração pré-preenchida” e a declaração vai aparecer já com todas a informações padrão preenchidas (no caso da 2ª fase, vai aparecer pré-preenchidas a).

Para que o sistema preencha todas as suas informações vai necessitar de confirmar novamente o seu NIF e password de acesso. Caso vá entregar a declaração de IRS em conjunto, deve também colocar o visto na frase “Opção pela tributação conjunta de rendimentos”.

É importante salientar que embora as deduções à coleta não apareçam de forma visível para os contribuintes, as mesmas são tidas em consideração no momento em que o cálculo do valor a pagar ou a receber for realizado.

Nota: Os primeiros passos são genéricos para todos os contribuintes que têm de preencher o IRS na 2ª fase, de seguida vamos apresentar todos os anexos.

4º Passo – A folha de rosto deverá ser preenchida com as informações genéricas sobre si e o seu agregado familiar

Pode ver aqui como preencher a folha de rosto, o anexo A e o anexo H.

5º Passo – Anexos do IRS

Associar todos os anexos que precisa de declarar e proceder ao preenchimento de cada um, de acordo com os seguintes passos:

a) Como Preencher o Anexo B do IRS 2016 em 14 Passos

Rendimentos categoria B – Regime simplificado ou Ato isolado

  • Passo 1: Quadro 1 – Rendimento de categoria B / Regime Simplificado / Ato Isolado (deve escolher o que melhor se adequa ao seu caso);
  • Passo 2: Quadro 2 – Selecione o ano de rendimentos que está a declarar, neste caso 2015;
  • Passo 3: Quadro 3 – Indicação do NIF do sujeito passivo (ou sujeitos passivos – no caso de declaração conjunta);

Veja todos os passos para preencher o Anexo B

b) Como Preencher o Anexo C do IRS em 13 Passos

Rendimentos categoria B – Regime simplificado de contabilidade organizada

  • Passo 1: Quadro 1 – Rendimentos categoria B / Regime de contabilidade organizada
  • Passo 2: Quadro 2 – Selecione o ano de rendimentos que está a declarar, neste caso 2015;
  • Passo 3: Quadro 3 – Indicação do NIF do sujeito passivo (ou sujeitos passivos – no caso de declaração conjunta);

Veja todos os passos para preencher o Anexo C 

c) Como preencher o Anexo D do IRS em 9 passos

Transparência fiscal e herança divisa, imputação de rendimentos

  • Passo 1: Quadro 1 – Imputação de Rendimentos
  • Passo 2: Quadro 2 – Selecione o ano de rendimentos que está a declarar, neste caso 2015;
  • Passo 3: Quadro 3 – Indicação do NIF do sujeito passivo (ou sujeitos passivos – no caso de declaração conjunta);

Veja todos os passos para preencher o Anexo D 

d) Como Preencher o Anexo E do IRS em 4 Passos

Rendimentos de capitais

  • Passo 1: Quadro 2 – Selecione o ano de rendimentos que está a declarar, neste caso 2015;
  • Passo 2: Quadro 3 – Indicação do NIF do sujeito passivo (ou sujeitos passivos – no caso de declaração conjunta);
  • Passo 3: Quadro 4 – Rendimentos Obtidos em Território Português (todos os rendimentos sujeitos a taxas especiais devem ser colocados aqui)

Veja todos os passos para preencher o Anexo E 

e) Como preencher o Anexo F do IRS em 8 passos

Rendimentos prediais

  • Passo 1: Quadro 2 – Selecione o ano de rendimentos que está a declarar, neste caso 2015;
  • Passo 2: Quadro 3 – Indicação do NIF do sujeito passivo (ou sujeitos passivos – no caso de declaração conjunta);
  • Passo 3: Quadro 4 – Rendimentos obtidos (deve indicar todos os rendimentos que obteve através das rendas);

Veja todos os passos para preencher o Anexo F

f) Como Preencher o Anexo G e G1 do IRS em 14 Passos

Mais-valias e outros incrementos patrimoniais e Mais-valias não tributadas

  • Passo 1: Quadro 2 – Selecione o ano de rendimentos que está a declarar, neste caso 2015;
  • Passo 2: Quadro 3 – Indicação do NIF do sujeito passivo (ou sujeitos passivos – no caso de declaração conjunta);
  • Passo 3: Quadro 4 – Alienação Onerosa de Direitos Reais Sobre Bens Imóveis – Este anexo deve ser preenchido no caso de ter vendido algum imóvel no ano a que se remete a declaração de IRS. Deve também preencher este quadro sempre que tenha afetado bens móveis ou imóveis a atividade empresarial ou profissional.

Veja todos os passos para preencher o Anexo G e G1

g) Como Preencher o Anexo I do IRS em 7 Passos

Herança indivisa

  • Passo 1: Quadro 2 – Selecione o ano de rendimentos que está a declarar, neste caso 2015;
  • Passo 2: Quadro 3 – Indicação do NIF do sujeito passivo (ou sujeitos passivos – no caso de declaração conjunta);
  • Passo 3: Quadro 4 – Identificação da Herança Indivisa – Deste quadro deve colocar o NIF do autor da herança, o NIF da herança Indivisa e o NIF do cabeça de casal ou administrador da herança;

Veja todos os passos para preencher o Anexo I

h) Como Preencher o Anexo J em 10 Passos

Rendimentos obtidos no estrangeiro

  • Passo 1: Quadro 2 – Selecione o ano de rendimentos que está a declarar, neste caso 2015;
  • Passo 2: Quadro 3 – Indicação do NIF do sujeito passivo (ou sujeitos passivos – no caso de declaração conjunta);
  • Passo 3: Quadro 4 – Rendimentos de Trabalho Dependente (Categoria A) – Neste caso deve colocar o rendimento que obteve através de trabalho dependente.

Veja todos os passos para preencher o Anexo J

i) Como preencher o Anexo L do IRS em 5 Passos

Residente não habitual

  • Passo 1: Quadro 2 – Selecione o ano de rendimentos que está a declarar, neste caso 2015;
  • Passo 2: Quadro 3 – Indicação do NIF do sujeito passivo (ou sujeitos passivos – no caso de declaração conjunta);
  • Passo 3: Quadro 4 – Rendimentos obtidos no território nacional – Neste quadro deve inserir os rendimentos que obteve enquanto estava em Portugal, independentemente da categoria.

Veja todos os passos para preencher o Anexo L

j) Como Preencher o Anexo SS em 6 Passos

Segurança Social

  • Passo 1: Quadro 1 – Rendimentos da categoria B – Deve indicar se os rendimentos obtidos através desta categoria são referentes ao Regime Simplificado, Regime de Contabilidade Organizada ou Imputação de Rendimentos do Regime de Transparência Fiscal.
  • Passo 2: Quadro 2 – Selecione o ano de rendimentos que está a declarar, neste caso 2015;
  • Passo 3: Quadro 3 – Indicação do NIF do sujeito passivo (ou sujeitos passivos – no caso de declaração conjunta);

Veja todos os passos para preencher o Anexo SS

6º Passo – Depois de verificar se todos os valores estão bem declarados no IRS 2016 selecionar a opção “Verificar”.

Caso haja algum erro de preenchimento será alertado e poderá fazer a sua correção

7º Passo – Aconselhamos que selecione a opção “Simular”

Antes de submeter a entrega do seu IRS 2016, assim consegue saber quanto irá receber ou pagar e fica a saber com o que pode contar.

8º Passo – Para terminar o processo selecione a opção “Submeter”.

Nesta fase será necessário voltar a introduzir o seu número de contribuinte (NIF) e a senha de acesso ao Portal das Finanças.

9º Passo – 48 horas depois de ter submetido a sua declaração de IRS deve voltar a entrar no Portal das Finanças

Para verificar se foi devidamente aceite e se não há erros centrais. No caso de existir algum erro de preenchimento pode fazer a sua correção no prazo de 30 dias ao entrar no portal e seguir os passos seguintes: “Cidadãos – Entregar – IRS – Corrigir”.

10º Passo – Verificação em 48 horas

48 horas úteis após ter submetido a sua declaração, deverá voltar a entrar no portal das finanças para verificar se a mesma foi aceite ou se existe algum erro que necessite de corrigir.

11º Passo – Por fim, para ter um comprovativo da entrega da sua declaração de IRS 2015

Deve voltar a entrar no Portal da Finanças e quando o estado da sua declaração estiver Aprovado deve entrar na opção de “Serviços Online – Contribuintes – Comprovativos – IRS”.

Agora que já sabe como preencher o IRS 2016, reúna toda a papelada que tem com o seu NIF e confirme no e-fatura se está tudo declarado, caso haja alguma fatura em falta, pode inseri-la manualmente.

4 – O que fazer caso surjam dúvidas a realizar a entrega do IRS 2016?

Mesmo com toda esta informação, é possível que encontre dificuldades ao proceder à entrega do IRS 2016. A realidade é que são tantas as variáveis implícitas na entrega desta declaração, que podem sempre surgir percalços e imprevistos.

Se a entrega do IRS lhe tiver corrido normalmente, então excelente, contudo se encontrou uma barreira que não consegue ultrapassar, pode sempre procurar apoio gratuito junto de várias instituições e Juntas de Freguesias, que disponibilizam atualmente este serviço.

Agora que já sabe como preencher o IRS 2016 na 2ª fase verifique se tem a senha de acesso ao Portal da Finanças e reúna toda a papelada necessária, depois é só introduzir os dados necessários com a devida atenção para evitar erros.

Gosta do nosso trabalho?

Siga a nossa página no Facebook

By | 2018-07-05T21:34:04+01:00 10/05/2016|Categories: Impostos|Tags: |

About the Author:

Formado em Engenharia e apaixonado pela área Financeira, Ricardo Rodrigues criou a NValores em Agosto de 2013 com a missão de melhorar a literacia financeira dos Portugueses. Exerceu funções profissionais inerentes à categoria de Consultor Financeiro na Empresa Maxfinance, nomeadamente assessoria na obtenção de crédito pessoal, crédito consolidado, crédito automóvel, cartões de crédito, crédito hipotecário, leasing, seguros e aplicações financeiras. Desde de 2013 com funções profissionais inerentes à categoria de CEO na RRNValores Unipessoal, Lda, especificamente, gere uma equipa formada por consultores, marketing de conteúdos e programadores que criam, desenvolvem e mantêm uma plataforma com informação e comparação de produtos financeiros gratuita para todos os utilizadores. Email: geral@nvalores.pt

7 Comments

  1. Maria de Soua 05/07/2016 at 09:17 - Reply

    o que é o B13, como se preenche?

  2. Rita 23/05/2016 at 15:19 - Reply

    Boa tarde,
    Tenho duas actividades abertas, ambas abrangidas pelo regime simplificado.
    Uma actividade como prestadora de serviços com recibo verde e uma segunda actividade com venda de mercadorias e produtos. As duas em conjunto não ultrapassam os 10000 euros ano, pelo que estou abrangida pela isenção de IVA segundo o artigo 53º do CIVA.
    Por esse motivo não apresento facturas de despesas. Este ano e depois de uma compra no valor aproximado de 1000 euros (com IVA de 6%) de produtos para venda posterior, fiquei com essa factura (com valor maior que o habitual). Mais tarde no Efactura foi-me perguntado se essa despesa foi uma despesa de âmbito pessoal ou profissional ao que acabei por colocar como “profissional”, mas agora surge-me esse valor na minha declaração como “despesa de educação” e estou na dúvida se apago essa linha ou se a mantenho. Pois se à partida não é suposto colocar despesas pelo regime que estou abrangida, continuo a achar que esse valor que investi não deveria aparecer, e muito menos como despesa de educação. Sim, foi uma despesa profissional, mas não sei se poderá estar enquadrada dentro de uma despesa deste tipo (653 – Despesa de formação e Educação isentas de IVA ou sujeitas à taxa reduzida artigo 78 D…) O que faço?
    Desde já obrigada pela vossa atenção

  3. Manuela Maia 13/05/2016 at 17:12 - Reply

    NO MODELO F – 9 B há 2 opções: com englobamento e sem englobamento.
    Simulei com as duas opções e obtive valores diferentes.

    Com que valores é feito o englobamento (bancários???)

    Antecipadamente grata

    • Ricardo Rodrigues 18/05/2016 at 15:23 - Reply

      Boa tarde Manuela Maia,
      É normal que os valores sejam diferentes optando pelo englobamento ou sem englobamento. O englobamento é feito ao abrigo das taxas liberatórias, no entanto acaba por ser o mais vantajoso para quem tem rendimentos até 20.000€, e engloba todos os valores auferidos.
      Se optar pela tributação autónoma a mesma é realizada à taxa de 28% e por norma é mais vantajosa para quem tem rendimentos superiores a 60.000€.
      Esperamos ter esclarecido as suas dúvidas.

  4. Manuela 11/05/2016 at 11:24 - Reply

    Caso um dos membros do casal tenha apenas rendimentos provenientes de reformas e o outro membro de reformas e rendimentos agrícolas, e optem por tributação conjunta, devem os dois preencher uma declaração conjunta de IRS na 2ª fase ou deveriam preencher as suas declarações em separado na 1ª e 2ª fases?

    • Ricardo Rodrigues 18/05/2016 at 15:23 - Reply

      Boa tarde Manuela,
      No seguimento da sua questão, um casal que opte pela tributação conjunta deve apenas preencher uma declaração de IRS, neste caso, basta que preencham a mesma nesta 2ª fase.
      Esperamos ter esclarecido as suas dúvidas.

Leave A Comment