Início / Artigos / Emprego e Formação / O que não comprar no regresso às aulas

O que não comprar no regresso às aulas

O que não comprar no regresso às aulas

Um novo ano letivo está prestes a começar e as crianças e adolescentes em idade escolar já começam a sentir alguma ansiedade por voltar à escola, enquanto os adultos (pais, avós…) começam a sofrer, antecipadamente, pelos gastos que se avizinham.

Nesta altura, as crianças querem de tudo e saber o que não deve comprar para o regresso às aulas é fundamental para evitar gastos desnecessários.

O NValores pretende que este artigo o ajude a enfrentar, de uma forma positiva e mais económica, o início de mais um ano letivo que já se avizinha.

Regresso às escola

Dicas sobre como poupar no regresso às aulas

Com o regresso às aulas, muitos encarregados de educação começam a preocupar-se sobre quanto gastarão com o material escolar.

Mas não desespere! É possível poupar na compra dos materiais com algum planeamento e organização prévia.

Além disso, saber o que não vale a pena comprar é fundamental para que as compras não pesem no orçamento.

A pensar nisso, elaborámos uma lista com dicas práticas que vão ajudar o seu bolso neste regresso às aulas.

1 – Selecione com cuidado o material escolar a comprar

É verdade que durante o mês de setembro a correria aos hipermercados e papelarias dispara, pois todos os pais vão comprar o material escolar para o ano letivo que está a começar.

Contudo, deve evitar comprar todo o material nesta altura, uma vez que os preços podem estar bastante mais inflacionados.

Assim, aquele material que sabe que obrigatoriamente tem de comprar (cadernos e canetas) pode adquirir no início do verão, antes de os preços aumentarem.

Consultar a escola (presencialmente, por telefone ou e-mail) é uma boa alternativa para saber qual o material que vai ser efetivamente necessário e não comprar coisas de que não precisa.

O restante material escolar pode ser adquirido a preços mais atrativos ao longo do ano letivo (como por exemplo aquela máquina de calcular gráfica que apenas vai ser necessária no 3º período).

2 – Computadores portáteis

Com o início das aulas, muitas vezes as crianças e adolescentes arranjam a desculpa de terem de fazer muitos trabalhos e precisarem de um computador portátil novo.

Mas este é um dos itens mais importantes do que não deve comprar no regresso às aulas.

Mesmo que a necessidade de um bom portátil tenha aumentado resultado das aulas online, que se tornaram regra durante a pandemia, setembro não é um bom mês para comprar este tipo de equipamentos.

Isto porque os preços estão consideravelmente mais elevados devido a toda a movimentação financeira que é gerada pelo regresso às aulas.

Assim, se não for nada urgente, pode muito bem esperar pela altura do natal, em que muitos computadores baixam o preço e são também lançados diversos modelos novos (a preços acessíveis).

3 – Roupa e acessórios

Muitas crianças (mas principalmente os adolescentes) querem roupas novas e acessórios (como lancheiras ou garrafas de água reutilizáveis) para um regresso às aulas cheio de “estilo”.

No entanto, é muito comum que a roupa e acessórios escolhidos antes do início do ano escolar sejam facilmente descartados.

Quando as aulas começam, as tendências de “moda estudantil” começam a surgir e, muitas vezes, as crianças passam a ser influenciadas pelo que os amigos usam (e caso não tenham, podem chegar a fazer birras enormes – principalmente se forem mais pequenas).

Assim, de forma a evitar a aquisição de roupa e “duplicado”, nada melhor do que não comprar roupa imediatamente antes do regresso às aulas.

Depois das primeiras semanas de aulas, as crianças já têm uma maior noção relativamente aos seus novos heróis e personagens favoritas, o que facilita a compra de roupa e acessórios (evitando fitas e birras desnecessárias).

4 – Outros produtos que deve evitar comprar

Embora esta lista de produtos que não deve comprar no regresso às aulas não seja muito grande, existem ainda outros produtos que também não deve comprar.

Estamos num mundo cada vez mais tecnológico, o que faz com que os telemóveis entrem na vida das crianças cada vez mais cedo.

No entanto, embora ache que pode estar a proteger o seu filho ao comprar-lhe um telemóvel, é importante salientar que em setembro o preço dos mesmos pode ser também inflacionado.

Contudo, tal como acontece com os computadores portáteis, o preço dos mesmos baixa durante o outono (devido aos novos modelos que ficam disponíveis).

É importante referir que a oferta do 1º telemóvel antes do início das aulas pode ser um fator de distração, principalmente nesta fase em que todos os miúdos querem um telemóvel para jogar, e isso pode prejudicar o início do ano letivo.

5 – Experimente fazer compras em grupo

Uma boa tática para se poupar no regresso às aulas é organizar um grupo com outros pais.

Isto porque as lojas costumam oferecer melhores preços quando as compras são feitas em maior volume.

Dessa forma, comprar os materiais em maior quantidade acaba por valer a pena. Essa é uma forma simples de se economizar e de ajudar outros pais a fazerem o mesmo.

6 – Não deixe tudo para a última

Com a proximidade do regresso às aulas, aumenta a procura de materiais nas lojas.

Se não planear com antecedência e deixar as compras para a última hora, estará a correr o risco de ter que pagar mais caro ou até mesmo não encontrar o que procura.

Por isso, organize-se previamente e vá adquirindo os itens do material escolar aos poucos. Dessa forma você garante que encontrará o que precisa e com o melhor preço.

Agora que já sabe o que não comprar no regresso às aulas, não se deixe convencer pelo seu filho (todos nós sabemos que as crianças podem ser bastante convincentes). Mantenha-se firme e consiga poupar um bom dinheiro neste regresso às aulas!

Veja A Nossa Sugestão

Autor: Ricardo Rodrigues

 

CEO e Fundador da RRNValores Unipessoal, Lda, Ricardo Rodrigues gere uma equipa formada por consultores, criadores de conteúdos e programadores que desenvolvem e mantêm uma plataforma gratuita com informação e comparação de produtos bancários.

Formado em Engenharia Civil pelo Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL) e apaixonado pela área Financeira, criou o nvalores.pt em Agosto de 2013 com a missão de garantir uma comparação independente de produtos bancários em Portugal.

Exerceu funções de consultor financeiro independente na Empresa Maxfinance, nomeadamente assessoria na obtenção de crédito pessoal, crédito consolidado, crédito automóvel, cartões de crédito, crédito hipotecário, leasing, seguros e aplicações financeiras.

Email: geral@nvalores.pt

1 comentário em “O que não comprar no regresso às aulas”

  1. Obrigado por todos os conselhos. Não conhecia o vosso site, descobri hoje e estive aqui longamente a aprender bastante. Parabéns pelos conteúdos e pelo modo sucinto e esclarecedor como os expõem! Felicidades!

Comentários fechados.