Início / Artigos / Impostos e Legislação / Novos Escalões de IRS em 2021 – Aprovado

Novos Escalões de IRS em 2021 – Aprovado

2021 está quase a chegar e, portanto, o Orçamento de Estado para o ano que se vai iniciar já foi revisto e aprovado.

Começamos com a boa notícia sobre o aumento do ordenado mínimo nacional (que vai passar para os 665€, aumentando assim 30€ comparativamente ao ano de 2020).

Mas, se 2020 foi um ano de mudanças, fique desde já a saber que em 2021 os escalões do IRS, vão manter-se exatamente iguais ao ano anterior.

Com essa manutenção dos escalões, não haverá uma subida do imposto a entregar ao Estado, mas, em contrapartida, também não vai pagar menos.

Dessa forma, tanto na distribuição dos contribuintes nos escalões, quantos em relação às taxas aplicáveis e limites mínimos e máximos, a tabela continua igual.

Veja a seguir como fica a tabela.

Escalões de IRS em 2021

Tal como aconteceu em 2019 e 2020, em 2021  vão continuar a existir 7 escalões de IRS. Assim, as tabelas seguintes demonstram as diferenças entre ambos.

Rendimento coletávelEscalãoTaxa normalTaxa Média
 Até 7.112€14,50%14,50%
De 7.112€ até 10.732€23,00%17,367%
De 10.732€ até 20.322€28,50%22,621%
De 20.322€ até 25.075€35,00%24,967%
De 25.075€ até 36.967€37,00%28,838%
De 36.967€ até 80.882€45,00%37,613%
Superior a 80.882€48,00%

Escalões de IRS em 2019

RendimentoEscalãoTaxa normalTaxa Média
Até 7091€14,50%14,50%
De 7091€ até 10.700€23,00%17,367%
De 10.700€ – 20.261€28,50%22,621%
De 20.261€ – 25.000€35,00%24,967%
De 25.000€ – 36.856€37,00%28,838%
De 36.856€ – 80.640€45,00%37,613%
Superior a 80.640€48,00%

Outra das alterações já aprovadas pelo Orçamento de Estado foi o aumento em 100 euros do valor mínimo de existência.

O que é o valor do mínimo de existência? É o valor limite até ao qual se está isento do pagamento de IRS. Este ano houve um aumento e o mínimo de existência passou a ser fixado em 9.315€.

Como entender a tabela de escalões de IRS?

A grande maioria das pessoas olha para esta tabela e tem algumas dúvidas relativamente à sua interpretação. Inclusive, muitos confundem os escalões de IRS com as tabelas de retenção na fonte.

Mas atenção! Elas não são a mesma coisa e na maior parte das vezes nem sequer coincidem os valores. Os escalões de IRS permitem perceber quanto tem de entregar de imposto no fim de cada ano fiscal, já as tabelas de retenção indicam quanto terá de adiantar todos os meses para esse fim.

Assim, para que perceba efetivamente como tudo funciona, explicamos-lhe de seguida.

  • Rendimento – Esta coluna refere o teto máximo de rendimento dentro de cada escalão de IRS (do 1º ao 7º)
  • Taxa normal – Esta taxa refere-se à taxa de desconto que é aplicada em cada um dos escalões de IRS. Para o primeiro escalão a taxa é de 14,5%, para o 2º escalão a taxa já é de 23,00%…

É importante frisar que o valor que é retido na fonte em sede de IRS irá estar sujeito a uma parcela a abater que será definida tendo por base o escalão no qual o seu rendimento se insere.

Exemplo de cálculo

A Filipa é trabalhadora por conta de outrem e aufere anualmente um valor de ordenado de 25.000€, o que corresponde ao 4º escalão de IRS, desta forma, ela é taxada da seguinte maneira:

Os primeiros 7.112€ pagam uma taxa de 14,5%, ao rendimento entre 7.112€ a 10.732€ é tributada à taxa de 23%, o rendimento de 10.732€ e 20.332€ é tributado à taxa de 28,5% e o remanescente é tributado à taxa de 35%.

Este rendimento é dividido em 4, sendo que em cada uma das parcelas é aplicada uma taxa diferente (taxa marginal).

Fazendo as contas temos o seguinte:

  • a primeira fatia paga 1.031,24 € (14,5%);
  • a segunda 832,6 € (23%)
  • a terceira fatia paga 2.736 € (28,5%)
  • a quarta fatia paga 1.633,8 € (35%)

Ao todo, os 25.000€ que a Filipa aufere paga 6.233,64 € o que dá uma taxa média (impostos totais sobre rendimento coletável) de 25,25%.

Como vê, não é assim tão complicado perceber como tudo funciona.

E, agora que já está a par dos nos escalões de IRS, pode facilmente fazer as contas ao valor que irá descontar.

Veja também:

Autor: Ricardo Rodrigues

 

CEO e Fundador da RRNValores Unipessoal, Lda, Ricardo Rodrigues gere uma equipa formada por consultores, criadores de conteúdos e programadores que desenvolvem e mantêm uma plataforma gratuita com informação e comparação de produtos bancários.

Formado em Engenharia Civil pelo Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL) e apaixonado pela área Financeira, criou o nvalores.pt em Agosto de 2013 com a missão de garantir uma comparação independente de produtos bancários em Portugal.

Exerceu funções de consultor financeiro independente na Empresa Maxfinance, nomeadamente assessoria na obtenção de crédito pessoal, crédito consolidado, crédito automóvel, cartões de crédito, crédito hipotecário, leasing, seguros e aplicações financeiras.

Email: geral@nvalores.pt

6 comentários em “Novos Escalões de IRS em 2021 – Aprovado”

  1. Se os recibos nao aparecem no seu portal existem duas razões. Primeira ele nao os emitiu. Segunda, caso voce nao tenha alterado a sua morada fiscal nas finanças para que a mesma seja efetivamente a mesma que consta nos recibos. Se isto nao acontecer as rendas nao aparecem no seu irs. Terá de consultar as finanças para confirmar essa situação. Cumps

    Responder
  2. Boa tarde,

    Agradeço que esclareça o seguinte:
    Em 2017 so trabalhei o mês de Janeiro. Estive de baixa doença durante um ano, tenho que declarar o subsidio de doença que recebi da segurança social?

    Obrigada

    Responder
  3. Boa Noite… e para os trabalhadores independentes a recibos verdes que descontam apenas para uma única entidade, e ganham menos de 19.000 euros ao ano, sendo que ficariam no segundo escalão penso eu… As regras aplicadas não são as mesmas?? Obrigada

    Responder

Deixe um comentário