Entrega de IRS para trabalhadores a recibos verdes 2018

Entrega de IRS para trabalhadores a recibos verdes 2018

By | 2018-04-06T17:15:08+00:00 04/04/2018|Categories: Impostos|Tags: |

Desde dia 1 de abril que é possível utilizar o simulador de IRS do Portal das Finanças e proceder à entrega da declaração de IRS para todos os trabalhadores.

Como sabemos que o preenchimento desta declaração para os trabalhadores a recibos verdes pode ser uma verdadeira dor de cabeça, resolvemos explicar-lhe como proceder ao preenchimento e entrega da sua declaração de IRS em 2018.

Se em 2017 trabalhou a recibos verdes iremos esclarecer as principais dúvidas, de forma a que não cometa nenhum descuido que faça com que tenha de pagar um balúrdio (quando não tem de o fazer).

Qual a data de entrega do IRS para quem trabalha a recibos verdes?

Pois bem, se até ao ano passado os trabalhadores independentes apenas poderiam proceder à entrega da declaração de IRS no mês de maio, desde 2017 que houve uma mudança nesse sentido.

Em 2018, qualquer trabalhador (independentemente de ser por conta de outrem ou independente) pode fazer a entrega da sua declaração de IRS entre dia 1 de abril e 31 de maio.

Reduzir a Mensalidade: Pacotes Tv Net Voz mais Baratos

Quais os anexos usados para declarar os rendimentos a recibos verdes?

É importante ter em mente que antes de saber qual é o anexo da declaração de IRS que deve preencher é importante perceber qual é o seu enquadramento fiscal (pois apenas desta forma irá preencher o anexo correto).

A grande maioria das pessoas que trabalha a recibos verdes (ou seja, quase todos os trabalhadores independentes) encontram-se enquadrados no regime simplificado, ou seja, é o regime fiscal em que as finanças assumem automaticamente que 25% dos valores auferidos são relativos a custos e 75% relativos a lucros.

Contudo, é possível que hajam inúmeros trabalhadores independentes cujo montante auferido anualmente seja elevado e se encontrem obrigados a ter contabilidade organizada.

Se esse é o seu caso, saiba que tem desde já a vida facilitada, já que por norma é o CC (Contabilista Certificado) que trata da entrega da declaração, deduzindo o máximo de despesas possíveis em sede de IRS.

Desta forma, a resposta à questão “Quais os anexos usados para declarar os rendimentos a recibos verdes” é:

  • Anexo B – no caso de se encontrar no regime simplificado;
  • Anexo C – no caso de se encontrar no regime de contabilidade organizada.

É importante frisar que no caso de ter trabalhado um mês por conta de outrem no ano de 2017, terá também de colocar o anexo A.

Conheça: As obrigações do trabalhador independente

Como preencher o anexo B do IRS?

Para poder preencher e entregar o anexo B da declaração de IRS de 2018 terá de ter acesso ao site das finanças.

Assim que acede à sua declaração, a folha de rosto encontra-se automaticamente preenchida, sendo que tem alguns espaços em branco que vai precisar de preencher (pode ver aqui como preencher os mesmos).

Se conseguir optar por uma declaração pré-preenchida o seu trabalho vai estar facilitado, pois assim que colocar o NIF e a password (e escolher a opção “Obtenção de uma declaração pré-preenchida”) é-lhe apresentada a declaração com as informações que já se encontram disponíveis pelas finanças.

É importante frisar que se optar por esta alternativa, pode também indicar se quer ou não entregar a declaração de acordo com a tributação conjunta de rendimentos.

Caso não tenha informações pré-preenchidas, perceba de seguida como preencher este anexo, que pode ser uma valente dor de cabeça.

Após inserir o Anexo B na sua declaração de rendimentos deve seguir os passos seguintes:

1º – Quadro 1 – Rendimentos da Categoria B / Regime Simplificado / Ato Isolado -> Deve escolher a opção que mais se adequa a si.

2º – Quadro 2 – Ano de Rendimento – Está pré-preenchido com o ano 2017.

3º – Quadro 3 – Identificação do(s) Sujeito(s) Passivo(s) -> Deve indicar o NIF do sujeito passivo de quem é a declaração, assim como se este NIF está associado a um herança indivisa. Deve também indicar se tem algum estabelecimento estável.

4º – Quadro 4 – Rendimentos Brutos (Obtidos em Território Português) -> Deve indicar os rendimentos brutos que obteve no decorrer da sua atividade a recibos verdes (venda de produtos, prestação de serviços, …), rendimentos agrícolas e outros acréscimos ao rendimento.

5º – Quadro 5 – Opção pela Aplicação das Regras da Categoria A -> Se pelo menos 80% dos seus rendimentos forem provenientes da mesma entidade pode optar pela tributação de acordo com as regras da categoria A.

6º – Quadro 6 – Retenções na Fonte e Pagamentos por Conta -> Neste quadro deve preencher separadamente os valores dos rendimentos sujeitos a retenção, retenção na fonte e pagamentos por conta. Deve de também identificar as entidades que efetuaram as retenções e os respetivos valores (no caso de ser aplicável).

7º – Quadro 7 – Encargos -> Neste quadro devem ser colocados todos os valores que tenha pago referentes por exemplo a Quotizações sindicais, deslocações, viagens e estadas, despesas de representação…

8º – Quadro 8 – Alienação e/ou Afetação de Direitos Reais Sobre Bens Imóveis – Aqui terá de indicar assinalando o “Sim” ou “Não” se alienou algum imóvel ou se houve afetação de imóveis à atividade empresarial ou profissional. No caso de responder “Sim”, deve indicar os prédios e os respetivos valores.

9º – Quadro 9 – Mais-Valias – Concretização do Reinvestimento do Valor de Realização (Valor Reinvestido no Ano N) – Deve validar se vai reinvestir os mesmos em ativos fixos tangíveis, intangíveis ou biológicos não consumíveis.

10º – Quadro 10 – Partes Sociais Adquiridas ao Abrigo do Regime de Neutralidade Fiscal – Deve indicar se houve alienação das partes sociais e quais as mais valias e menos valias das partes sociais.

11º – Quadro 11 – Prejuízos Fiscais a Deduzir em Caso de Sucessão por Morte – Este anexo deve ser preenchido se por motivo de morte, sucedeu a alguém da sua família. Deve indicar o seu NIF, o ano e os valores dos rendimentos.

12º – Quadro 12 – Tributação Autónoma – Deve indicar as despesas não documentadas e as importâncias pagas a não residentes.

13º – Quadro 13 – Informações Complementares – Deve indicar as entidades que pagaram subsídios, assim como a totalidade das vendas do ano.

14º – Quadro 14 – Cessação da Atividade / Não Exercício da Atividade – No caso de ter cessado atividade deve indicar “SIM” e colocar a data da cessação. No caso de no ano a que respeita a declaração não tenha auferido rendimentos da categoria B, deve assinalar a alínea 06.

15º – Quadro 15 – Alojamento Local – Opção Pela Tributação de Acordo com as Regras Estabelecidas para a Categoria F – Deve indicar que no caso de ter auferido rendimentos da exploração de estabelecimentos de alojamento local na modalidade de moradia ou apartamento, opta pela tributação de acordo com as regras estabelecidas para a categoria F. Deve indicar também quais os rendimentos obtidos, quais os gastos suportados e pagos.

16º – Quadro 16 – Dedução à Coleta – Adicional ao Imposto Municipal sobre Imóveis – Se no caso do ano a que respeita a declaração de IRS a recibos verdes teve de liquidar o adicional ao IMI deve indicar neste quadro o valor.

É importante salientar que no caso de se encontrar neste regime de contabilidade e os rendimentos auferidos estejam associados a uma única entidade, pode optar pela tributação de acordo com os rendimentos de Categoria A (ou seja, trabalhadores por conta de outrem).

Ressalvamos que quem aufere rendimentos de recibos verdes até 13.680€ tem maior vantagem fiscal ao optar pela tributação de acordo com a categoria A (isto se for efetivamente possível essa tributação).

Leia: IRS automático em 2018: o que precisa saber

Como preencher o anexo C da declaração de IRS em 2018

Tal como dissemos anteriormente, se tem contabilidade organizada, acaba por ter a sua vida facilitada, já que o contabilista irá proceder ao preenchimento e entrega da sua declaração de IRS.

No entanto, no caso de querer simular ou fazer você mesmo a entrega da declaração de IRS de 2018, veja de seguida como se processa o preenchimento da mesma.

1º – Quadro 1 – Rendimentos da Categoria B / Regime Contabilidade Organizada – Deve indicar se são serviços Profissionais, Comerciais e Industriais ou Agrícolas, Silvícolas e Pecuários.

2º – Quadro 2 – Indicação do ano dos rendimentos

3º – Quadro 3 – Identificação do(s) Sujeito(s) Passivo(s) – Deve indicar o NIF do sujeito passivo de quem é a declaração, assim como se este NIF está associado a um herança indivisa. Deve também indicar se tem algum estabelecimento estável.

4º – Quadro 4 – Apuramento do Lucro Tributável (Obtido em Território Português) – Deve indicar os rendimentos brutos que obteve no decorrer da sua atividade a recibos verdes (venda de produtos, prestação de serviços, …), rendimentos agrícolas e outros acrescimentos ao rendimento.

5º – Quadro 5 – Discriminação por Atividades – Deve indicar as atividades, assim como os prejuízos e lucros da atividade.

6º – Quadro 6 – Retenções na Fonte e Pagamentos por Conta – Deve indicar os rendimentos sujeitos a retenção e quais os valores que reteve. Deve identificar as entidades que efetuaram as retenções e respetivos valores.

7º – Quadro 7 – Alienação e/ou Afetação de Direitos Reais Sobre Bens Imóveis – Aqui terá de indicar assinalando o “Sim” ou “Não” se alienou algum imóvel ou se houve afetação de imóveis à atividade empresarial ou profissional. No caso de responder “Sim”, deve indicar os prédios e os respetivos valores.

8º – Quadro 8 – Mais-Valias – Concretização do Reinvestimento do Valor de Realização – Deve indicar quais são as suas intenções de reinvestimento e quais foram os investimentos concretizados.

9º – Quadro 9 – Prejuízos Fiscais a Deduzir em Caso de Sucessão por Morte – Deve indicar o NIF do autor da sucessão.

10º – Quadro 10 – Tributação Autónoma sobre Despesas – Deve indicar neste quadro todas as despesas que teve durante o ano fiscal ao qual respeita a declaração de IRS a recibos verdes.

11º- Quadro 11 – Deve indicar as entidades que pagaram subsídios, assim como a totalidade das vendas do ano, e quais os rendimentos imputáveis à atividade geradora de rendimentos da Categoria B.

12º – Quadro 12 – Cessação da Atividade / Não Exercício da Atividade – No caso de ter cessado atividade deve indicar “SIM” e colocar a data da cessação. No caso de no ano a que respeita a declaração não tenha auferido rendimentos da categoria B, deve assinalar a alínea 06.

13º – Quadro 13 – Alojamento Local – Opção Pela Tributação de Acordo com as Regras Estabelecidas para a Categoria F – Deve indicar que no caso de ter auferido rendimentos da exploração de estabelecimentos de alojamento local na modalidade de moradia ou apartamento, opta pela tributação de acordo com as regras estabelecidas para a categoria F. Deve indicar também quais os rendimentos obtidos, quais os gastos suportados e pagos e a informação complementar.

14º – Quadro 14 – Dedução à Coleta – Adicional ao Imposto Municipal sobre Imóveis – Se no caso do ano a que respeita a declaração de IRS a recibos verdes teve de liquidar o adicional ao IMI deve indicar neste quadro o valor.

15º – Quadro 15 – Identificação do Contabilista Certificado – Deve indicar o NIF do Contabilista Certificado.

Consulte: Todos os anexos do IRS

Como apresentar despesas da atividade relacionada com os Recibos Verdes na entrega de IRS?

Tal como dissemos anteriormente, se estiver no regime simplificado, não vale a pena estar a pensar na apresentação de despesas, uma vez que este regime afeta automaticamente 25% do valor que auferiu, como despesa.

No caso de ter a contabilidade organizada é importante que fale com o seu contabilista para verificar quais as despesas que são efetivamente aceites de forma a reunir o máximo de documentos possíveis.

Tenha em mente que as despesas aceites vão depender da sua área de atividade, no entanto, na grande maioria dos casos o material de escritório, gasóleo e despesas com seguros e alimentação, são válidas.

O que é o Anexo SS?

O anexo SS é algo relativamente recente e diz respeito à Segurança Social, e deve ser entregue por todos os trabalhadores que trabalham a recibos verdes, declarando as contribuições que foram realizadas no ano transato.

É importante salientar que existem situações em que existe uma dispensa da apresentação deste anexo, nomeadamente no caso em que o trabalhador se encontra isento das contribuições (porque está no período inicial de isenção ou porque trabalha simultaneamente por conta de outrem).

Como vê, o preenchimento e entrega da declaração de IRS para trabalhadores a recibos verdes não é um bicho de 7 cabeças. Esperamos com a realização deste artigo tê-lo ajudado a esclarecer as suas dúvidas.

Veja também:

Gosta do nosso trabalho?

Siga a nossa página no Facebook

By | 2018-04-06T17:15:08+00:00 04/04/2018|Categories: Impostos|Tags: |

About the Author:

Ricardo Rodrigues é consultor financeiro independente e presta serviços de consultoria financeira em crédito pessoal, crédito consolidado e crédito habitação. Email: geral@nvalores.pt