Download dos 2 ebooks grátis: guia especial IRS - edição 2016

Download dos 2 Ebooks Grátis: Guia Especial IRS – Edição 2016

By | 2017-05-19T01:32:36+00:00 27/04/2016|Categories: Impostos|Tags: |

Ebook para a 1ª Fase do IRS

Ao longo do mês de abril, enquanto decorre a entrega da 1ª fase do modelo 3 da declaração de IRS, muitas dúvidas vão surgindo aos contribuintes. Ao longo do mês, muitas questões nos foram colocadas através de e-mail, no site e mesmo por mensagem nas diversas redes sociais.

Assim, a pensar em si, o NValores resolver simplificar a entrega da declaração de IRS, desmistificar o “bicho papão” que é o preenchimento da mesma. Aproveitámos também para esclarecer algumas das questões que nos foram mais colocadas.

Desta forma surgiu a Edição Especial – 1ª fase de IRS, um e-book gratuito que tem como principal finalidade ajudar os contribuintes neste processo que não é tão simples como deveria.

guia especial irs em 2016

O IRS (Imposto sobre Rendimento de Pessoas Singulares) incide sobre o valor que é anualmente auferido por rendimentos de trabalho dependente, independente e pensões, assim como das mais-valias e menos-valias auferidas através de venda de propriedade, rendimentos de capital, rendas… É um imposto direto que uma grande maioria dos contribuintes tem de declarar anualmente.

Descarregue o nosso e-book gratuito para a 1ª fase

Ao descarregar o e-book realizado pelo NValores, vai ter acesso privilegiado aos seguintes conteúdos:

  • Reforma do IRS – Quais as principais alterações;
  • Como preencher a declaração de IRS em 14 passos;
  • Recomendações;
  • Perguntas frequentes;
  • Dicas de poupança para o IRS de 2017

Esperamos que ao seguir as nossas dicas, seja muito mais simples para si este processo burocrático que é de caráter obrigatório.

Qualquer questão que tenha ficado por esclarecer, não hesite em contactar-nos.

Pode fazer o download do ficheiro aqui:

[adrotate banner=”109″]

Ebook para a 2ª Fase do IRS

Estamos em maio e encontra-se a decorrer a 2ª fase da entrega da declaração de Imposto sobre Rendimentos de pessoas Singulares relativos a 2015 (vulgo IRS). Muitos contribuintes não se preparam com a devida antecedência para a realização do mesmo e por isso muitos milhares de euros já podem ter sido perdidos por muitos portugueses (depois vamos explicar-lhe como pode começar já a poupar para o IRS de 2017).

O NValores tem respondido a inúmeras questões colocadas pelos seus leitores sobre variados tópicos associados a este tema tão atual – a declaração da 2ª fase do IRS 2016.

Esta Edição Especial – 2ª fase de IRS foi elaborada para ajudar todos os contribuintes que ainda se encontram com dúvidas e não sabem ao certo como funciona o IRS este ano, quais as alterações que foram realizadas no último ano relativamente a este tema, têm ainda algumas dúvidas sobre como preencher o modelo 3 da declaração de IRS (Anexo A, B, C, D, E, F, G, G1, H, I, J, SS) e os seus múltiplos anexos.

A criação deste e-book tem como principal intuito descomplicar a vida dos contribuintes, ajudando-os a realizar esta tarefa que é obrigatória e que por vezes não é tão simples como as finanças fazem querer.

Descarregue o nosso e-book gratuito para a 2ª fase

Ao descarregar o e-book para a 2ª fase do IRS, vai ter acesso ao seguinte:

  • Reforma do IRS – Quais as principais alterações
  • Como preencher a declaração de IRS corretamente em 11 passos
  • Recomendações
  • Perguntas frequentes
  • Dicas de poupança para o IRS (2017)
[adrotate banner=”110″]

Salientamos desde já, que neste e-book vai conseguir a informação para o preenchimento dos anexos que são exclusivos da 2ª fase de entrega do IRS, sendo que para informações mais detalhadas sobre a folha de rosto, anexo A e H, deve consultar o artigo: www.nvalores.pt/como-preencher-o-irs/

Esperamos que as suas dúvidas sobre estes temas o fiquem esclarecidas, e caso tenha alguma questão que não viu respondida não hesite em contactar-nos.

Gosta do nosso trabalho?

Siga a nossa página no Facebook

By | 2017-05-19T01:32:36+00:00 27/04/2016|Categories: Impostos|Tags: |

About the Author:

Formado em Engenharia e apaixonado pela área Financeira, Ricardo Rodrigues criou a NValores em Agosto de 2013 com a missão de melhorar a literacia financeira dos Portugueses. Exerceu funções profissionais inerentes à categoria de Consultor Financeiro na Empresa Maxfinance, nomeadamente assessoria na obtenção de crédito pessoal, crédito consolidado, crédito automóvel, cartões de crédito, crédito hipotecário, leasing, seguros e aplicações financeiras. Desde de 2013 com funções profissionais inerentes à categoria de CEO na RRNValores Unipessoal, Lda, especificamente, gere uma equipa formada por consultores, marketing de conteúdos e programadores que criam, desenvolvem e mantêm uma plataforma com informação e comparação de produtos financeiros gratuita para todos os utilizadores. Email: geral@nvalores.pt

12 Comments

  1. mario oliveira 02/04/2017 at 12:10 - Reply

    comprei a casa da minha mãe por 20000 eros e estou na suíça e agora vou declarar

  2. João Coelho 25/05/2016 at 15:34 - Reply

    Boa tarde,,
    o nosso filho só começou a trabalhar em Setembro/2015. Entregou o anexo B, regime simplificado, com rendimentos de 1392,50 euros. E também entregou o anexo SS.
    O nosso filho tem 23 anos e esteve desempregado até 31 de Agosto de 2015. As suas despesas gerais e de saúde não foram declaradas no IRS. Como as mesmas foram suportadas pelo pais, gostaria que me esclarecessem se poderemos incluí-lo como dependente e declará-las no nosso IRS no quadro que lhe pertence.
    Aceitem os meus cumprimentos.

    • Isabel Barbosa 04/01/2017 at 11:42 - Reply

      Bom Dia,
      A minha filha só começou a trabalhar na ultima semana de outubro de 2016, ora ultima semana de Outubro e mês de Novembro e Dezembro recebeu o salario mínimo.
      As suas despesas gerais,saúde e outras as mesmas foram suportadas por mim, gostaria que me esclarecessem se posso incluí-lo como dependente e declará-la no meu IRS de 2016, e já agora como deve a minha filha fazer o IRS de 2016 relativamente aos meses atras referido.
      Aceitem os meus cumprimentos.

  3. Ana 13/05/2016 at 11:46 - Reply

    Bom dia,
    Tenho a mesma dúvida do sr.Renato Ventosa colocada a 06/05.
    que valor se declara como compra da Mota Engil África?

  4. Ricardo Matos 11/05/2016 at 11:17 - Reply

    Bom dia,
    Gostaria de obter o vosso parecer na expectativa de poder agir em conformidade dom as minhas obrigações fiscais.

    Residi durante todo o Ano de 2015 em país da Comunidade Europeia, no qual obtive os meus rendimentos.
    Durante o decorrer desse mesmo ano, não tive nem auferi qualquer rendimento ou despesa em território nacional.
    Embora seja proprietário de um imóvel em Terras Lusitanas, sobre o qual ainda pago o empréstimo contraído junto de uma Instituição financeira de crédito, não o tenho a arrendar, encontrando-se fechado a sete chaves.

    Tentei por e-mail junto da minha Repartição de Finanças, obter o esclarecimento se tinha de declarar os meus rendimentos obtidos fora de Portugal, mas sem sucesso.

    Tentei igualmente através do Portal simular a entrega mas o erro abaixo indicado, impossibilita-me de o fazer.

    Erros do Quadro 8
    139R:Numa declaração de não residente não pode ser incluído anexo J para nenhum dos NIF’s indicados no rosto da declaração.

    Sendo que em termos de cadastro, as finanças são conhecedoras na minha residência além fronteiras, ao ponto de ter recebido para pagamento a Guia referente ao IMI, questiono de tenho de entregar a declaração ou estou isento de o fazer.

    Reiterando os meus melhores cumprimentos, agradeço a atenção dispensada,

  5. Antonio Joaquim da Encarnação 07/05/2016 at 19:17 - Reply

    Vendi uma moradia em Novembro de 2015, que tinha adquirido em 1999 (esta foi-me distribuída em 1978 pelo FFH como habitação de renda económica) apos 20 anos de pagamento de rendas paguei as restantes rendas para concluir o período de arrendamento económico. Depois da escritura da habitação resolvi fazer obras (substituição telhado, portas, janelas, soalhos quartos e sala) uma vez que o telhado era em amianto as portas e janelas estavam em mau estado chão em alcatifa e procedi vedação (gradeamento). A minha questão como consigo evidenciar valorização da moradia, uma vez que não possuo documentos dos gastos com materiais e mão de obra. As mais valias que me são atribuídas no preenchimento do anexo G são valor da venda em 2015 e valor da escritura em 1999, tornando o valor de IRS a pagar exagerado. Será que a data em que me foi distribuída a habitação poderá ser considerada a data de aquisição e em vez do anexo G passaria a preencher o G1, ou que a valorização da habitação poderá ser evidenciada sem recurso fatura de materiais e mão obra. Obrigado

  6. Rosete Maria Fialho sacristão 07/05/2016 at 17:25 - Reply

    Olá gostaria de saber o meu irs foi metido dia19 de abril e foi considerado declaração certa dia 20 agora conto 20 dias ou 25 para o reembolso ??

  7. Alexandre Miranda 07/05/2016 at 05:21 - Reply

    Em 2015 vendi uma casa herdada em conjunto com a minha mãe e minhas 2 irmãs, pela morte do meu pai . Metade do valor adquirido com a venda da casa é da minha mãe; a outra metade foi dividida por 4 partes. São mais valias adquiridas. Como declaro a minha parte no modelo G. Obrigada.

  8. Renato Ventosa 06/05/2016 at 17:11 - Reply

    Boa tarde
    Tenho uma dívida sobre a tributação de mais valias da venda de ações. Tinha ações da Mota-Engil Africa que me forma atribuídas sem custos por deter ações da mota-engil. Com a venda dessas ações que valor considero no valor de aquisição. considera-se 0€ sendo a tributação de 28% sobre o valor total da venda?

    Outra dúvida. tenho acções há cerca de 30 anos que agora vendi. já não faço a mínima ideia do dia m<~es e anos e valor de aquisição. o banco também não sabe. Como fazer?

  9. J. Claro 02/05/2016 at 08:24 - Reply

    Caros Senhores,
    Os meus cumprimentos.
    Desde algum tempo a esta parte, tenho acompanhado o vosso trabalho no esclarecimento para o preenchimento declarações IRS.
    O vosso trabalho tem-me agradado bastante e pelo qual venho por este meio solicitar um esclarecimento se for possível da vossa parte. Então eis a questão:
    “Um familiar licenciou-se em medicina (médico) em 2013, e desde então, abriu uma colecta (Categoria B – Rendimentos Profissionais com as CAE 7024 – Médicos de Outras Especialidades e CAE 8011 – Formadores, também na área da saúde e cujo enquadramento no inicio actividade é Isenção Artº. 53º.
    Acontece que em 2015, ele ultrapassou bastante os 10.000€ de serviços prestados.
    A questão que coloco e que gostaria de ver esclarecida, é se tem que apresentar declaração de alterações nas finanças para efeitos de IVA, mesmo sendo actividades isentas de IVA?

  10. Ana Lemos 01/05/2016 at 19:53 - Reply

    Não consigo pôr no anexo F do IRS a percentagem que tenho de um imóvel. A minha parte é 8,33% e o anexo f não aceita. Fiz uma declaração pré-preenchida visto ter recibos eletrónicos e isto é uma herança indivisa.
    Melhores cumprimentos

  11. Acacio Pinto 28/04/2016 at 22:37 - Reply

    Boa noite.
    Muito agradecia que me ajudasse a preencher o anexo G – Venda de um prédio adquirido a titulo gratuito, Em 2008 ( com a morte da minha mãe) adquirii 1/5 do valor considerado para a liquidação do Imposto Selo . Isto é 1/5 de 25.040 Euros= 5.008 Euros. Em 2012, com a morte do meu pai, adquiri, também a titulo gratuito, 25% (somos 4 irmãos) do remanescente do valor do imóvel (valor considerado na liquidação do IS) = 31.300 Euros/4= 7.825 Euros. Este imóvel foi vendido em 2015 por 55.500 Euros, havendo despesas de venda de 2.500 Euros (agência imobiliária). Logo, o valor de venda liquido foi de 53.000 Euros que dividido pelos 4 irmãos a minha quota parte na venda são de 13,250 Euros. Como reflectir isto no anexo G. Obrigado.

Leave A Comment