Recuperação de empresas 2018-09-07T16:03:13+00:00

Recuperação de Empresas

Os nossos consultores assessoram a sua relação bancária, procurando os instrumentos de financiamento mais adequados à situação económico-financeira da empresa.

quero recuperar!

Parceiro

Descrição do serviço de recuperação de empresas

Estudos de Viabilidade Económico-Financeira

  • Análise da sustentabilidade do seu negócio

  • Identificação das necessidades de capital e de reestruturação financeira

  • Elaboração de estudos de viabilidade económico-financeira

  • Acompanhamento desde a implementação aos resultados.

  • Participação na gestão interina de áreas e/ou processos quando for entendido por conveniente.

Negociação com Credores

  • Diagnóstico da situação da empresa

  • Criação de um plano de acção

  • Elaboração de estudos económico-financeiros

  • Participação nas negociações com as instituições financeiras e fornecedores

  • Acompanhamos a implementação e os resultados.

PER / RERE

  • PER – Processo Especial de Revitalização

  • RERE – Regime extrajudicial de recuperação de empresas

  • Procura de soluções que viabilizem a sua actividade

  • Elaboração de demonstrações financeiras de suporte

  • Assessoria nas negociações no âmbito do RERE ou PER

  • Acompanhamento na implementação dos planos de recuperação

Quais as dúvidas mais comuns sobre a recuperação de empresas?

Ao longo dos anos dezenas de pessoas abriram empresas, mas por diversos motivos acabam por não conseguir manter as mesmas em funcionamento.

Só em 2018 foram dissolvidas 22.941 empresas e entraram em insolvência 4.636.

Estes números podem e devem ser colmatados, pois muitos destes negócios têm ainda pernas para andar, mas por desconhecimento das leis ou dos apoios existentes, acabam por fechar portas.

Para quem não sabe, existem dois planos de recuperação de empresas e que podem ser implementados em vários casos.

Assim sendo, e para evitar que tenha de fechar portas porque as suas finanças estão descontroladas ou porque está prestes a entrar num processo de insolvência, iremos de seguida responder a todas as questões relevantes sobre a recuperação de empresas.

Dúvidas dos empresários sobre a recuperação de empresas

A recuperação de empresas não é propriamente uma tarefa simples ou rápida. Muito pelo contrário.

Contudo, são muitos os negócios que podem efetivamente dar a volta à situação sem precisarem de fechar portas ou pedir insolvência – em casos mais graves de dívidas.

De seguida conheça as dúvidas mais comuns sobre este tema.

1 – O que é um plano de recuperação de empresas?

Esta é talvez a dúvida mais comum sobre este tema.

De forma resumida, podemos dizer que um plano de recuperação de empresas é um instrumento alternativo à insolvência de uma empresa e que tem como principal intuito revitalizar a sua atividade.

Este plano inclui uma reestruturação empresarial, negociação com os credores, estudos de viabilidade económico-financeira de forma a que possam ser analisados quais os planos mais indicados.

Além disso, cada plano é adaptado à realidade da empresa que precisa de apoio, por isso, é pouco provável que hajam dois planos de recuperação empresarial idênticos.

2 – Como fazer um plano de recuperação de empresas?

É importante ter em mente que fazer um plano de recuperação de empresas não é propriamente algo que qualquer pessoa consiga fazer.

Depois de toda a situação ser analisada, é importante que seja verificado qual o processo mais indicado para a sua empresa: PER – Processo Especial de Revitalização ou o RERE – Regime Extrajudicial de Recuperação de Empresas que é implementado pelo SIREVE – Sistema de Recuperação de Empresas por via Extrajudicial.

Depois de se saber qual o plano mais adequado ao estado do seu negócio, é dado seguimento à construção do mesmo tendo em conta as especificidades de cada um.

3 – Como funciona o PER – Processo Especial de Revitalização?

O plano de recuperação de empresas PER é um instrumento alternativo à insolvência de uma empresa, que possibilita à mesma no caso de se encontrar numa situação iminente de fechar portas por dívidas a credores, estabelecer negociações com os mesmos de modo a revitalizar a sua atividade.

O mesmo é então uma solução de reestruturação de empresas, onde as mesmas conseguem proteger a sua capacidade produtiva, assim como os postos de trabalho.

Além disso, as cobranças coercivas de créditos durante o processo negocial e de viabilização do plano de recuperação não são possíveis.

O PER entrou em vigor a 20 de maio de 2012, através da Lei n.º 16/2012 de 20 de abril, contudo, a mesma foi alterada e é atualmente regida pelo Decreto-Lei nº 79/2017

4 – Quem pode beneficiar do PER?

Pois bem, o novo Decreto Lei veio mudar a abrangência deste plano, por isso, nos dias que correm só empresas em situação económica difícil ou em situação de insolvência meramente iminente, mas que ainda reúnam condições de recuperação é que podem solicitar este plano.

É importante frisar que se considera uma situação económica difícil, a empresa que enfrenta dificuldades para cumprir pontualmente as suas obrigações, por falta de liquidez ou pela não obtenção de crédito.

5 – Como funciona o RERE – Regime Extrajudicial de Recuperação de Empresas?

Contrariamente ao que possa desde já estar a pensar, o RERE não é um processo de insolvência, nem de pré-insolvência. Muito pelo contrário.

É um processo que se encontra à disposição das empresas que ainda são viáveis e que procuram equilibrar a tesouraria e regularizar a situação tributária com um acordo a longo prazo.

Este processo é por norma concluído e acompanhado pelo IAPMEI.

6 – Quem são os beneficiários do RERE?

Pois bem, no caso deste apoio à recuperação de empresas os beneficiários acabam por ser um pouco mais abrangentes, contudo, é preciso que algumas condições sejam cumpridas, nomeadamente:

  • Ter contabilidade organizada
  • Estarem numa situação económica difícil
  • Ter uma avaliação global dos seguintes indicadores ao longo dos últimos anos iguais os superiores a:
    • Autonomia financeira – superior a 5%
    • Resultados antes de depreciações – superior a 1,3%
    • Divida financeira – entre 0% e 10%

7 – Em que casos não se pode apresentar um pedido de ajuda ao SIREVE?

Pois bem, é importante frisar que existem situações em que deve ser solicitado um PER em vez desta ajuda em específico.

Assim sendo, sempre que ocorra um dos seguintes casos, a empresa não pode recorrer ao RERE:

  • Se estiver a apresentar insolvência
  • Se já existir uma declaração de insolvência
  • Se existir uma pendência no processo especial de revitalização
  • Se não houver aprovação do plano de recuperação

8 – Qualquer pessoa pode ajudar-me a recuperar o meu negócio?

Pois bem, desde o início do ano que um mediador de recuperação de empresas tem de ter pelo menos 10 anos de experiência nas seguintes áreas: funções de administração, gestão, auditoria ou reestruturação de créditos.

Além disso, de acordo com a lei é necessário um mediador de empresas ter uma licenciatura e experiência profissional adequadas, deve ser uma pessoa idónea e ter um excelente aproveitamento nas ações de formação em mediação de recuperação de empresas.

Assim sendo, se está a precisar de apoio, a recuperação de empresas pode realmente ser a melhor opção para si, já que a pessoa que o irá ajudar, vai fazer todos os possíveis para a sua empresa voltar aos tempos áureos.

Frisamos ainda que o IAPMEI – Agência para a Competitividade e Inovação é o órgão competente para apreciar a idoneidade dos candidatos.

Desta forma, será este organismo que irá apurar as infrações de regras disciplinares ou as razões que motivaram um despedimento de determinada pessoa com estatuto do mediador de recuperação de empresas.

Agora que já sabe o que é e como funciona um plano de recuperação de empresa, esperamos ter esclarecido algumas das suas dúvidas.

Sabemos que este não é um tema simples, e é necessária uma força de vontade excecional para conseguir solicitar ajuda a tempo de conseguir ainda dar a volta à situação.

Se a sua empresa corre o risco eminente de fechar portas ou se está num processo iminente de insolvência, entre em contacto connosco que poderemos ajudar a verificar o que pode ainda ser feito pelo seu negócio.