Como concorrer ao Portugal 2020 em 11 passos rápidos

Como concorrer ao Portugal 2020 em 11 passos rápidos

By | 2018-08-28T16:14:46+01:00 18/06/2016|Categories: Empreendedorismo|Tags: |

Elaborar uma candidatura para concorrer ao Portugal 2020 não é simples, não é fácil e não é de todo algo que seja intuitivo de se fazer!

Muitas empresas vêm-se perdidas logo na fase inicial e não sabem o que é necessário para conseguir fazer uma candidatura coerente e consequentemente aprova-la.

O NValores resolveu ajuda-lo a concorrer ao Portugal 2020 e vai dar-lhe dicas essenciais para conseguir elaborar um projeto coerente (como é obvio não conseguimos garantir-lhe que o mesmo seja aprovado, pois isso é algo que se encontra completamente fora do nosso alcance).

Concorrer ao Portugal 2020 passo a passo

Embora para quem não conhece em profundidade os projetos a melhor opção seja subcontratar este serviço (pois vai perceber ao longo deste artigo o quão elaborada necessita ser a sua candidatura), vamos dar as melhores dicas para todos os corajosos.

1º Passo – Fazer o registo no Balcão 2020

Este é o primeiro passo para quem está a pensar concorrer ao Portugal 2020. Este balcão virtual vai ser o seu ponto de interação, pois será através do mesmo que vai submeter a sua candidatura, fazer o registo da mesma e conseguir acompanhar nas diversas fases o estado em que se encontra.

É importante salientar que para realizar o registo no balcão deve ter consigo o NIF da empresa assim como a respetiva password das finanças, e o email que pretende que fique associado (pois no futuro todos os emails vão ser enviados para ai).

2º Passo – Analise os critérios base de candidatura ao Portugal 2020

Como sabe existem critérios base dentro da própria empresa que têm de ser cumpridos de forma a poder elaborar uma candidatura ao Portugal 2020.

Embora os mesmos possam ser alterados de acordo com o programa operacional ao qual se candidata, é importante verificar os mesmos, pois caso exista algum critério que não cumpra, é desnecessário estar a dar-se ao trabalho de a fazer, pois a mesma não será avaliada.

Embora possam não ser iguais para todos os programas, ressalvamos os seguintes:

  • Ter concluído os projetos anteriormente aprovados nessa tipologia;
  • Ter uma situação económico-financeira equilibrada;
  • Ter contabilidade organizada;
  • Declarar que não tem salários em atraso ou alguma dívida às Finanças;
  • Não estar sujeita a injunção de recuperação.

Consulte o nosso dicionário PT 2020 onde explicamos quais são as siglas mais usadas, as expressões mais comuns e respondemos às dúvidas mais frequentes, sobre os programas operacionais que vão estar em vigor até 2020

3º Passo – Defina os objetivos da sua empresa para os próximos 3 anos

Depois de fazer o registo no balcão 2020, é importante que tire um ou dois dias e pense/estruture os objetivos da sua empresa para os próximos 3 anos.

É importante definir quais os seus objetivos estratégicos (crescer no mercado, consolidar a presença no mercado nacional ou internacional, aumentar a notoriedade da empresa…) e quais os seus objetivos SMART (entrar em novos mercados, aumentar a quota de mercado em X%, atingir um volume de negócios superior a X€, aumentar o volume de produção em X%, aumentar o volume de negócios em X%…).

Ter estes objetivos estruturados é meio caminho andado para definir o futuro da sua empresa e para onde quer estar num futuro a curto/longo prazo.

Estes objetivos (e o que irá fazer para os atingir) vão ter de constar detalhadamente no formulário de candidatura, independentemente do tipo de programa operacional a que se candidatar.

4º Passo – Analise os diferentes programas operacionais

Existem ao todo 16 programas operacionais diferentes ao abrigo do novo quadro comunitário, sendo que os apoios vão desde investimentos rurais, pesca, internacionalização…

Existem também diversos programas operacionais que podem ser mais vantajosos para a sua empresa do que outros, por exemplo uma empresa que tenha sede em Lisboa (vai candidatar-se ao abrigo do PO Lisboa) mas queira realizar um processo de internacionalização, pode eventualmente deslocalizar a empresa para Coimbra (PO Centro), pois as verbas disponíveis costumam ser maiores, logo é possível aprovar mais facilmente o projeto (no que respeita a dotação orçamental).

É por isso extremamente importante que analise todos os programas em que a sua empresa se pode candidatar de forma mais proveitosa.

5º Passo – Defina quais os investimentos que quer realizar

Além de saber quais os objetivos de crescimento da empresa, tem também de saber quais são os investimentos que quer realizar e começar a solicitar orçamentos para os mesmos.

Embora estes sejam definidos a meio da descrição do projeto, é importante começar a tratar desta questão atempadamente (pois nem sempre vai conseguir arranjar orçamentos em menos de 5 dias).

Outra questão muito importante, é saber que nem todos os investimentos que vai fazer vão ser elegíveis, por isso tenha a certeza se é aquilo que pretende mesmo fazer, pois podem não ser enquadráveis.

É também importante salientar, que depois de ter os investimentos todos definidos e orçamentados, vai precisar de os enquadrar nas tipologias existentes no aviso de abertura (sendo que cada aviso tem diferentes investimentos elegíveis).

Exemplo:

  • Viagem para determinado país para prospeção de mercado – 250€ voo + 250€ alojamento,
  • Nova máquina que permite melhorar o produto – 100.000€,
  • Plano de Marketing – 1.500€,
  • Investimentos em painéis solares – 55.000€

6º Passo – Planear antecipadamente todo o projeto nos próximos 24 meses

Todos os projetos apoiados no âmbito do Portugal 2020 têm uma duração de 24 meses (2 anos), mas em última instância podem ser prorrogados por mais 12 meses (com prejuízo na sua avaliação).

Assim sendo, deve planear tudo o que pretende fazer nos próximos 24 meses (desde campanhas, viagens, aquisição de equipamentos, investigação de novas técnicas de produção, registo de patentes…) e mesmo que os mesmos não sejam investimentos elegíveis, indique que os quer fazer, pois irá ajudar à coerência e mérito do projeto.

Ao planear, vai conseguir justificar o porquê de querer realizar determinado investimento e qual vai ser a sua utilidade para a melhoria da empresa. É importante ressalvar, que deve justificar tudo o que inserir no projeto.

7º Passo – Faça simulações e ajuste à sua realidade

Quando um aviso de abertura é divulgado, ele trás um referencial de análise de mérito que deve ler cuidadosamente, pois é através deste que vai saber o quer será avaliado nesse concurso.

Para cada critério que cumprir, é dada uma determinada pontuação. É através dessa pontuação que vão ser hierarquizadas todas as candidaturas, sendo apenas avaliadas as que se encontrem acima da pontuação mínima associada ao mesmo (esta pontuação mínima é referida no aviso de abertura do concurso), todas as que obtiverem uma pontuação inferior são automaticamente excluídas.

Assim sendo, tendo por base o referencial e os objetivos previamente definidos, deve simular e tentar ajustar os mesmos, de forma a pontual o melhor possível. Caso tenha ajustado ao máximo os valores de pontuação, e mesmo assim não sejam suficientes para a candidatura ser avaliada, é conveniente que fale com alguém que tenha qualificações nesta área para verificar se está a fazer tudo corretamente.

Caso esteja tudo ok, e a pontuação for realmente baixa, não o aconselhamos a realizar a mesma, pois não será avaliada nem tida em consideração.

É importante salientar, que quanto melhor pontuação tiver, mais hipóteses tem de aprovar a candidatura, pois estará no cima do hierarquia, logo terá mais facilmente acesso a receber financiamento.

8º Passo – Tenha sempre consigo o guia de formulário e a legislação

Não é incomum uma candidatura não ser aprovada porque tem alguma incoerência com o que vem previamente descrito na legislação.

Assim sendo, esta será a “sua melhor amiga” enquanto está a realizar a elaboração da candidatura ao Portugal 2020.

É importante ressalvar que todos os avisos de abertura, trazem um formulário de apoio, onde todos os passos são explicados, sendo também dadas dicas de preenchimento.

9º Passo – Valide o formulário de candidatura

Os formulários disponíveis no Balcão 2020 dispõem de uma funcionalidade de validação, que permite verificar se existe algum erro no formulário (como erros de datas, erros no balanço…).

Outra questão que deve ter em conta é que cada pergunta tem um limite máximo de caracteres associados (com espaços, virgulas, pontos e parágrafos incluídos), por isso deve ter sempre em conta os mesmos de forma a não ultrapassa-los e ter de cortar texto posteriormente.

10º Passo – Não se esqueça de fazer upload dos documentos

Num grande número de concursos será necessário o envio de documentos de suporte (por exemplo balanço intercalar, documentos comprovativos da liquidez da empresa…), por isso é importante que coloque um lembrete para não se esquecer de submeter os mesmos, pois podem ser vitais para a aprovação do seu projeto.

11º Passo – Submeta a candidatura no balcão 2020

Depois de todo o trabalho, chega a “hora da verdade”. Deve submeter a sua candidatura atempadamente no balcão 2020 (evite submeter em cima do prazo limite – pode ver alguns erros na submissão de candidaturas aqui).

Depois de submetida, irá receber um email, que confirma a receção da mesma por parte das entidades competentes. Esse email e o comprovativo devem ser guardados, como referência da candidatura submetida.

Depois é aguardar que o resultado saia (supostamente é em 60 dias, no entanto têm existido diversos atrasos nesse sentido).

Se depois de ler este artigo, ainda quer tentar submeter a sua candidatura sozinho, evite cometer estes erros.

No entanto se quer contactar com alguma empresa especializada, solicite-nos um contacto que iremos referenciar-lhe um dos melhores consultores no âmbito da tipologia de projetos que quiser submeter.

Se tiver alguma dúvida, não hesite em contactar-nos.

Gosta do nosso trabalho?

Siga a nossa página no Facebook

By | 2018-08-28T16:14:46+01:00 18/06/2016|Categories: Empreendedorismo|Tags: |

About the Author:

Formado em Engenharia e apaixonado pela área Financeira, Ricardo Rodrigues criou a NValores em Agosto de 2013 com a missão de melhorar a literacia financeira dos Portugueses. Exerceu funções profissionais inerentes à categoria de Consultor Financeiro na Empresa Maxfinance, nomeadamente assessoria na obtenção de crédito pessoal, crédito consolidado, crédito automóvel, cartões de crédito, crédito hipotecário, leasing, seguros e aplicações financeiras. Desde de 2013 com funções profissionais inerentes à categoria de CEO na RRNValores Unipessoal, Lda, especificamente, gere uma equipa formada por consultores, marketing de conteúdos e programadores que criam, desenvolvem e mantêm uma plataforma com informação e comparação de produtos financeiros gratuita para todos os utilizadores. Email: geral@nvalores.pt

Leave A Comment